Você quer Idéias para passar bem pela sua Crise de Enxaqueca?

10/08/2020
moça com a mão na cabeça e com a cara de dor.

Sofro com enxaqueca, sei lá, desde os meus 20 anos? Não me lembro bem quando minhas crises começaram, mas me lembro de elas terem ficado mais presentes na minha vida quando tinha 28 anos. Eu achava que era porque eu não gostava muito do tipo de trabalho que eu fazia naquela época, apesar de amar ser psicóloga, trabalhava para uma instituição que não tinha muito a ver com o meu jeito de ser e por isso acreditava que minhas dores estavam relacionadas ao trabalho. Depois deixei o trabalho, me casei, tive filha e as dores sempre me acompanhavam e ficavam cada vez mais frequente e incapacitantes. Sempre tinha uma justificativa para a dor e nunca conseguia um tratamento realmente eficaz. Fiz terapia, tratamento para ATM, tratamentos com neurologistas e com psiquiatra, mas parecia que nada fazia efeito. A enxaqueca é uma condição individual e por isso o que funciona para uma pessoa pode não dar certo para outra, mesmo assim, vou dar algumas ideias para vocês.

De acordo com pesquisas uma entre cinco mulheres tem enxaqueca, assim como, um entre 12 homens e uma entre nove crianças. Pelo menos 50% das pessoas com sintomas de enxaqueca procuram ajuda médica e poucas procuram ajuda psicológica por acreditar que quase nada pode ser feito. A enxaqueca é hereditária.

De acordo com Wendy Green (2011) “uma enxaqueca é uma condição neurológica complexa, episódica (intermitente), caracterizada por um dor intensa e dolorosa, latejante, de um só lado da cabeça.” Apesar de serem debilitantes, não existe evidência de que provoque dano permanente ao corpo, porém apresenta sintomas como náusea, vomito, distúrbio visual etc.

Principais tipos de enxaqueca

Enxaqueca com aura

A enxaqueca com aura gera uma série de alterações sensoriais e visuais, como pontos pretos na visão, sensações de ziguezague, formigueiro em algum lado do corpo ou incapacidade de falar com clareza. Geralmente, esses sinais precedem a dor de cabeça, cujas crises podem durar entre 10 a 30 minutos.

Enxaqueca sem aura

Conhecida por enxaqueca comum, é muito difícil de ser diagnosticada por englobar sintomas muito parecidos com outros tipos de enxaqueca, como: - Dor pulsátil ou latejante na cabeça; Fotofobia; Fonofobia; Náuseas; Vómitos.

Enxaqueca sem dor de cabeça

É a enxaqueca que apresenta aura, mas não apresenta dor.

Enxaqueca crônica

Pessoas que têm esta enxaqueca costumam sofrer de dores de cabeça intensas por, pelo menos, 15 dias por mês. Muitos doentes usam durante esse período medicamentos para o alívio do desconforto, o que pode por sua vez aumentar a intensidade da dor e torná-la ainda mais frequente.

Enxaqueca Menstrual

Dores de cabeça que ocorrem entre os dois dias anteriores e três dias após o início do período.

Você não sabe se tem enxaqueca? Responda as seguintes perguntas:

1- Sentiu náuseas?

2- A luz ou o som o incomodou mais do que o normal?

3- Sua dor de cabeça o afasta das atividades normais por pelo menos um dia?

Se você responder sim a pelo menos duas dessas perguntas sua dor de cabeça pode ser enxaqueca.

Certa vez resolvi criar um diário para dor e descobri vários desencadeantes para a minha dor, então fica aí a primeira ideia para você, conheça sua dor. No seu diário anote suas emoções, sono, ingestão de água, período menstrual, que período do dia a dor aconteceu, seu ritmo de trabalho, se precisou tomar remédio ou não. Você encontra vários modelos de diário e vários aplicativos na internet para monitorar a sua dor. Descobri com meu diário que sempre tenho dor na ovulação e na menstruação. Também descobri que se durmo em excesso, ou se fico privada de sono também tenho dor.

Minha segunda dica é faça um diário alimentar e tente identificar alimentos que desencadeiam sua dor. No meu caso consegui identificar o amendoim como um desencadeante, mas existem vários desencadeantes conhecidos: laticínios, frutas cítricas, trigo, tiramina (presente no vinho e na cerveja), vinagre, glutamato monossódico entre outros. Consulte um nutricionista para te ajudar na dieta contra a dor, mas enquanto você não vai ao nutricionista existem algumas coisas que você já pode começar a fazer.

Mastigue gengibre que é um anti-inflamatório natural e que também ajuda nas náuseas e problemas digestivos que acompanham a enxaqueca. Além disso coma alimentos ricos em magnésios.

Outra coisa que descobri ao longo dos anos é que a desidratação é outro fator desencadeante para mim. Os tecidos que envolvem o cérebro são compostos principalmente por água, então quando desidratados, eles encolhem o que provoca irritação e dor.

Eu não tinha o hábito de usar suplementos, mas minha nutricionista inseriu alguns na minha rotina e que também me ajudaram na redução da enxaqueca, entre eles utilizo o 5HTP, a Coenzima Q10, o magnésio, o óleo de peixe entre outros. Mas fica o alerta de suplementar somente com a orientação do nutricionista.

Tem também o Stress, ah o stress, que é uma forma natural como reagimos aos estímulos externos e que faz parte da nossa vida e serve para restabelecer o equilíbrio interior alterado pelas diferentes exigências exteriores. O problema do stress é quando entramos na fase de esgotamento e aí nosso organismo tem uma grande fadiga e uma pequena reação aos estressores. Ele é basicamente como a nossa mente e o nosso corpo respondem as pressões. E tem tudo a ver com a nossa percepção individual, com a crença da nossa capacidade de lidar com as situações. Minhas enxaquecas sempre aconteceram em diversas situações como na rotina do dia -a -dia e durante férias no Caribe altamente relaxada, curtindo a família, o mar e um bom livro, por isso sempre que eu escuto de alguém que tenho enxaqueca porque sou estressada não faz tanto sentido para mim, é claro que quando as coisas ficam mais intensas minhas dores aumentam, mas não é só nessas situações. Contudo algo que aprendi nesses anos todos é que preciso incluir muitos momentos de relax ao longo da semana. Recomendo o diário do stress, registre situações, horas, lugares e pessoas que o fazem sentir estressado. Registre também as estratégias que você usa para lidar com o stress. Qual delas funcionam? Quais você consegue inserir com naturalidade na sua rotina?

E por falar em rotina, como você administra seu tempo? Você planeja uma rotina realista? Você executa a sua rotina. Descobri com o tempo que por diversas razões, e por ter TDAH, meu planejamento da rotina era totalmente inadequado e por incrível que pareça, ainda hoje, tenho dificuldade em gerenciar minha rotina, seja porque não sei falar não e acabo assumindo compromissos que muitas vezes não dou conta de fazer, seja porque sou perfeccionista e nunca estou satisfeita com os meus resultados. Minha terapia pessoal me ajuda muito nessas questões de autoaceitação das limitações e da administração mais adequada da minha rotina. Vou te contar um segredo, conseguir ter uma rotina ideal para dar conta dos seus compromissos profissionais e pessoais demora, bom pelo menos para mim, demorou para acontecer. E quando falo demorou não estou falando de meses, estou falando de anos. Desde que me conscientizei que precisava ter disciplina e organizar uma rotina mais adequada, foram anos para conseguir colocar em prática de forma que eu ficasse satisfeita e feliz. Precisei desenhar e redesenhar a agenda inúmeras vezes, precisei cronometrar o tempo médio para a execução das coisas, e assim por diante. Mas valeu a pena, eu que tinha dor de cabeça praticamente dia sim, dia não, hoje tenho a cada 15, 20 dias dependendo do meu ciclo menstrual. Com essas ações, praticamente eliminei as dores que não são hormonais, é claro que eventualmente algum acontecimento mais intenso me gera dor. Mas hoje já conheço as estratégias para melhor lidar e minimizar essa dor como por exemplo: bolsa de água quente, um banho demorado, pinga óleo essencial de lavanda, fazer meditação, nadar e depois relaxar na piscina aquecida, tomar sol do meio dia por 15 minutos e cumprir meus horários, apesar de algumas vezes não concluir o planejado. Quando não concluo o planejado, avalio se tudo bem, continuar no próximo período separado para aquela atividade, se sim, sou generosa comigo e sigo no combinado.

Patrícia Areco – CRP 06/48251 – Especialista em Terapia Cognitiva.

Patricia Regina Areco Coelho de Oliveira