Você sabe o que é distorção cognitiva?

11/12/2020
homem e mulher com expressão sofrida e confusa

Você já parou para observar seus pensamentos quando você está se sentindo mal? Faça essa experiência e você vai se dar conta que normalmente está pensando de forma negativa, ou ao menos distorcida.

Todos nós temos, de vez em quando, pensamentos distorcidos quando menos esperamos, nossa mente escorrega para esses tipos de pensamento nos fazendo tirar conclusões precipitadas e a tomar o caminho menos adequado muitas vezes distorcendo os fatos.

No entanto, você tem a capacidade de parar, olhar para trás e a reavaliar a maneira como você está pensando e achar seu ponto de equilíbrio. Ao aprender a identificar seus pensamentos distorcidos, você fica pronto para analisá-los e optar por responder de forma mais saudável.

Hoje vamos falar de alguns deles e não de todos para não ficar muito cansativo.

Catastrofização: quando você catastrofiza, pega um pequeno aspecto negativo e transforma-o em algo gigante, além de pensar em todos as consequências negativas e adversas possíveis. Como por exemplo alguém amado se atrasa e você imagina que sofreu um acidente.

Como minimizar isso na sua vida?

  • Coloque seus pensamentos em perspectiva: pergunte-se será que é verdade isso que estou pensando? Se for verdade, tenho como lidar com isso?
  • Considere explicações menos aterrorizantes: Que outras razões podem justificar o que está acontecendo?
  • Atenha-se a evidência: você tem informações suficientes para chegar a essa conclusão?
  • Mantenha o foco naquilo que você pode fazer para lidar com a situação e nas pessoas e recursos que podem auxiliá-la.

No que diz respeito a catastrofização é sempre bom lembrar que somos resistentes e que somos capazes de sobreviver a episódios difíceis e dolorosos.

Tudo ou nada: essa forma radical de pensar nos leva a emoções e comportamentos extremos. O típico pensamento tudo ou nada aparece por exemplo quando no meio da dieta você come um doce e logo pensa: tudo acabado, arruinei minha dieta.

Para reduzir o impacto você pode:

  • Ser realista.
  • Desenvolver a capacidade de ser razoável. Você precisa permitir que duas possibilidades que parecem diferentes existam ao mesmo tempo.

É importante ter seu comportamento focado na meta. O pensamento tudo ou nada costuma atrapalhar seu foco.

Adivinhação: nesses casos as previsões são um grande problema. Você tenta prever o que vai acontecer no futuro, mas sempre faz previsões negativas.

Estratégias para ligar com a previsão de futuro:

  • Teste suas previsões: você nunca pode saber o quanto é divertido fazer uma coisa se você nunca o fez.
  • Esteja preparado para aceitar riscos: aprenda a correr riscos calculados. Dê-se ao direito de experimentar. Essa forma de viver torna a vida mais interessante.
  • Entenda que suas experiências passadas não determinam suas experiências futuras.

Uma das grandes consequências negativas da adivinhação é que ela te impede de tomar atitudes. O que pode te levar a realização das suas mais temidas profecias.

Leitura Mental: muitos de nós fazemos isso com frequência: ler o pensamento do outro, achar que sabemos o que passa pela cabeça do indivíduo. E você já reparou que sempre achamos que o outro pensa coisas negativas ao nosso respeito ou que ele tem motivo ou intenção ruim?

A verdade é que nunca sabemos ao certo o que o outro está pensando. Por isso é preciso sabedoria para ignorar nossas suposições fantasiosas. Você deve parar e analisar as evidências que você tem no momento.

Estratégias para evitar a leitura mental:

  • Elabore algumas razões alternativas para o que você está vendo.
  • Considere que suas suposições podem estar erradas.
  • Informe-se sempre que for possível.

Lembre-se sempre que normalmente nossa leitura mental está relacionada aquilo que mais tememos.

Que tal você colocar em prática esse aprendizado?

Patricia Regina Areco Coelho de Oliveira – CRP 06/48251 – é psicóloga especialista em Terapia Cognitiva.